Hemodiafiltração melhora qualidade de vida de pacientes renais crônicos

Pacientes relatam mais disposição e nenhum efeito colateral com a nova modalidade de terapia renal substitutiva.

Implantada desde agosto de 2021 no Serviço de Nefrologia da Santa Casa de Santos, a nova modalidade de terapia renal substitutiva, chamada hemodiafiltração – HDF, tem feito grande diferença na vida de pacientes renais crônicos que recebem o tratamento.

Segundo o paciente Júlio Orlando, que faz hemodiálise há 5 anos, e está há 2 meses fazendo as sessões de HDF, a mudança foi muito positiva: “Me sinto muito melhor, muito mais disposto.”

Para Sandro Cuesta, que fazia hemodiálise convencional há 2 anos, e realiza HDF há 2 meses, a nova terapia renal não traz reações desconfortáveis, como câimbras intensas, que aconteciam com a ultrafiltração dialítica.

A paciente Carmen Elídia foi a primeira a fazer HDF na Santa Casa, em agosto de 2021. Carmen já fazia hemodiálise há 3 anos, e disse que passava muito mal com o tratamento convencional. Há 3 meses realizando a HDF, diz que ainda está em fase de adaptação devido a uma cirurgia cardíaca feita há cerca de um ano, mas afirma que tem se sentido melhor com a nova terapia renal substitutiva.

Já o Ivan Ferreira destaca que depois que começou a HDF nunca mais teve câimbras durante a sessão, e sente-se muito disposto. Ivan afirma que volta a pé para casa quando sai da diálise, e somando ao percurso de vinda para o hospital, chega a caminhar 6 km no dia do tratamento. Ele fazia hemodiálise convencional há 2 anos, e há 1 mês começou a HDF. Diz ainda que antes de tornar-se renal crônico, praticava corrida de rua, mas que devido à hemodiálise convencional, precisou parar de correr. Agora, com as condições oferecidas pela HDF, tem esperança de poder voltar à pratica esportiva. “Tenho consulta médica nos próximos dias, e acredito que depois de realizar os exames necessários, possa voltar pelo menos a ‘trotar de leve’”, completa Ivan, animado.

Às terças, quintas e sábados, no período da tarde, os pacientes Renato Mendes e Pablo Ribeiro são parceiros nas sessões de HDF. Renato fazia hemodiálise convencional há 4 anos, e há 1 mês e meio começou as sessões de HDF. “Antes tinha dor no peito, falta de ar, e não aguentava fazer nem 2 horas de hemodiálise. Nessa máquina (de HDF), consigo fazer 4 horas de sessão, perco o peso necessário, e não sinto nada”, afirma satisfeito com a mudança de terapia renal substitutiva.

Para Pablo Ribeiro, a mudança também foi excelente. Ele faz hemodiálise há 5 anos, mas há cerca de 2 meses e meio iniciou a HDF, e melhorou muito sua qualidade de vida, principalmente durante o período das sessões. “Na outra máquina, passava mal direto, minha pressão caia, sentia formigamento nas pernas. Nessa máquina (HDF), não sinto nada e saio muito disposto”, conta Pablo.

O que é hemodiafiltração (HDF)?

Hemodiafiltração é uma evolução da terapia renal substitutiva, cuja tecnologia retira uma série de substâncias não filtradas na hemodiálise convencional. Com a otimização da filtração do sangue, os efeitos causados pelos tratamentos convencionais, como a desmineralização óssea, anemia, insuficiência cardíaca congestiva e neuropatia, têm uma diminuição muito significativa. Portanto, a nova modalidade de tratamento melhora a qualidade de vida dos pacientes renais crônicos.

Serviço de Nefrologia da Santa Casa de Santos

O Serviço de Nefrologia da Santa Casa de Santos é a maior referência em terapia renal substitutiva da região, e atende pessoas do SUS e convênios de todos os municípios da Baixada Santista.

Objetivando oferecer sempre os melhores recursos em serviços de saúde, a Santa Casa adquiriu as máquinas de HDF e todos os profissionais envolvidos receberam treinamento para implementação da nova modalidade de tratamento dialítico.

A HDF e a hemodiálise convencional são tratamentos distintos, portanto a nova modalidade de terapia renal precisa ser avaliada criteriosamente por médico nefrologista, o qual irá indicar o melhor tratamento para cada caso.

De acordo com a Confederação Nacional da Saúde mais de 140 mil pacientes renais crônicos no Brasil dependem do tratamento dialítico para manter uma vida próxima do normal no país.

 

 

 

 

Compartilhe!
Acesse Nossas Redes Sociais

Av. Dr. Claudio Luis da Costa, 50
(13) 32020600
provedoria@scsantos.com.br